Estas Fotos Provam que o Fim da Privacidade Já Chegou

Você realmente acha que existe privacidade no mundo de hoje? Se você acha que sim, então uma experiência social conduzida por um estudante russo pode fazer você reconsiderar.

Hoje em dia, é comum compartilhar suas fotos privadas em mídias sociais. Eu acredito que seja difícil encontrar uma pessoa que nunca tenha feito uma ‘selfie’ ou não tenha compartilhado todos os detalhes de sua vida privada on-line. Além disso, aqueles que optam por ficar longe dessa mania podem até ser considerados esquisitos. Não é mais ‘normal’ manter sua vida privada para si mesmo – é esperado que você compartilhe suas experiências com o mundo ilusório de ‘amigos’ digitais.

Esses fenômenos da sociedade moderna inspiraram o fotógrafo russo e estudante de artes Egor Tsvetkov a conduzir uma experiência social estimulante, intitulada “Seu rosto é uma grande informação”.

Para seu experimento, ele tirou fotos aleatórias de 100 pessoas no metrô de Moscou. Egor diz que a maioria delas nem percebeu que ele estava tirando suas fotos – a maioria apenas olhava para as telas de seus smartphones e não prestava atenção ao que estava acontecendo ao redor. Entre outras coisas, esse tipo de reação despertou seu interesse.

No entanto, a melhor parte veio quando Egor passou as fotos em um aplicativo de reconhecimento facial chamado “FindFace”, que ele próprio criou. O objetivo era testar se o aplicativo poderia usar fotos para identificar, com sucesso, pessoas aleatórias na rede social “Vkontakte” (“InTouch”) que, na verdade, é mais popular na Rússia do que no Facebook.

Como resultado, Egor descobriu que o aplicativo estava funcionando perfeitamente e conseguiu identificar 70% das pessoas fotografadas na rede social!

Veja os resultados:

end-of-privacy end-of-privacy1 end-of-privacy2 end-of-privacy3 end-of-privacy4 end-of-privacy5 end-of-privacy6

Como você pode ver nas imagens acima, as pessoas parecem realmente diferentes nas fotos que Egor tirou e naquelas compartilhadas on-line. Faz sentido, porque as pessoas costumam mostrar apenas as fotos em que elas estão sob a melhor luz. Ninguém quer parecer feio ou infeliz em uma foto disponível on-line. Aplicativos modernos também ajudam e podem consertar até mesmo as piores fotos para fazer a pessoa parecer mais atraente do que realmente é.  Afinal, a maioria das pessoas não se importa em mostrar seu verdadeiro ‘eu’ nas mídias sociais – elas procuram apresentar uma imagem “perfeita” de si mesmos.

Essa experiência social é mais um lembrete de que não há privacidade no mundo moderno. Quanto às consequências disto, você pode adivinhar o que poderia acontecer no futuro, com o progresso da tecnologia. Identificar alguém por foto não é mais um privilégio dos serviços secretos e da polícia. Qualquer pessoa com conhecimentos básicos de informática pode fazer uma pesquisa básica on-line e descobrir toneladas de informações sobre outra pessoa – que ela voluntariamente compartilhou on-line.

“Meu projeto é uma ilustração clara do futuro que nos espera se continuarmos a nos revelar na Internet, na extensão em que o fazemos hoje”, disse Egor.

Então, da próxima vez que você quiser compartilhar uma selfie ou algo pessoal no Facebook, lembre-se desta experiência social e pense duas vezes antes de clicar em ‘enviar’.

Artigo original: http://themindunleashed.com/2017/03/end-privacy-photos.html

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *